O Zoológico São Francisco, em Canindé, Sertão Central do Ceará, busca licenciamento ambiental na Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) após realizar reformas de adequação do espaço onde o casal de ursos, Dimas e Kátia, estão.

O Zoológico São Francisco, em Canindé, Sertão Central do Ceará, busca licenciamento ambiental na Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) após realizar reformas de adequação do espaço onde o casal de ursos, Dimas e Kátia, estão.

O caso dos ursos-pardos-siberianos ganhou notoriedade quando a ativista Luisa Mell tentou transferir os animais para São Paulo, alegando que a temperatura do sertão cearense é prejudicial para os animais. A Semace emitiu parecer técnico sobre as condições do local onde Dimas e Kátia estavam, apontando a necessidade de melhorias como ampliação do espaço, itens de segurança e identificação. Além do Semace, membros do Conselho Federal de Medicina Veterinária afirmaram também que os animais têm "plenas condições" de permanecerem no Ceará.

Na primeira etapa da reforma do zoológico, foi realizada a ampliação do local que abriga os ursos e melhora na ambientação com a instalação de troncos, uma plataforma elevada e rochas. Em seguida foi construído um corredor de segurança no cambiamento e uma área de confinamento, em que os ursos descansam.

O Santuário de Canindé, que administra o Zoológico São Francisco, agora busca o licenciamento ambiental para continuar funcionando normalmente.

Polêmica com ativista

A ativista Luisa Mell começou uma campanha nas redes sociais no fim de setembro de 2018 para que os dois ursos-pardos-siberianos, Dimas e Kátia, fossem transferidos para o Rancho dos Gnomos. Luísa, que conseguiu retirar a ursa Marsha, agora batizada de Rowena, do Piauí para a associação, tentou fazer o mesmo com o casal de ursos.

G1 Ceará