Com menos servidores e mais pedidos de aposentadoria, INSS no CE analisa 40 mil processos de 2018

O prazo para o INSS implantar o benefício após o deferimento é de 45 a 60 dias

Com menos servidores e mais pedidos de aposentadoria, INSS no CE analisa 40 mil processos de 2018
INSS no CE analisa 40 mil processos de 2018

Quem deu entrada, neste ano, com o pedido de aposentadoria e ainda não recebeu respostas se irá ou não conseguir o benefício em tempo mais ágil, precisa se preparar e alimentar a paciência. Hoje, pelas informações colhidas pela reportagem do Ceará Agora, somente na Gerência Executiva do Ceará, em Fortaleza, são 40.000 processos de aposentadoria protocolados nos últimos quatro meses de 2018. Toda essa papelada e coleta de informações estão nas mãos de apenas 112 funcionários do INSS. O prazo para o INSS implantar o benefício após o deferimento é de 45 a 60 dias.

Com menos servidores e maior demanda de solicitação de benefícios, o Instituto Nacional do Seguro Social no Ceará ainda está analisando os processos de aposentadoria encaminhados pelos segurados nos meses de agosto e setembro do ano passado. Quem deu entrada na aposentadoria em 2019, recebe, como resposta, o indicativo de que somente em setembro poderá sair, em definitivo, a indicação sobre a liberação ou não do benefício. Mesmo com a digitalização, o INSS não tem dado vazão, dentro do prazo estabelecido de 45 dias,  para responder à crescente demanda dos segurados.

Com o debate sobre a reforma previdenciária a partir do primeiro semestre de 2017, especialmente, no ano passado, cresceu a quantidade de pedidos de informações sobre o tempo de contribuição e, também, de aposentadorias. Os segurados demonstram insegurança sobre os caminhos da aposentadoria e, com a incerteza, querem antecipar o benefício. Simultâneo ao aumento no número desses pedidos, o INSS vem perdendo mão de obra: muitos servidores decidiram pedir aposentadoria, enquanto outros – como acontece no Ceará -, partiram para outras carreiras profissionais.

Atraso nos benefícios

Com o atraso na concessão dos benefícios, o Ministério Público Federal (MPF) recomendou que o Governo realize com urgência um concurso público para que o órgão possa suprir a carência de servidores. O gargalo com emperramento na análise dos pedidos de aposentadorias e pensões, no entanto, é ainda maior: a operação pente-fino contra fraudes. Dezenas de técnicos foram designados para essa missão. Hoje, o déficit de servidores nos quadros do Instituto em todo o Brasil pode chegar a 13.000. São 35 mil funcionários e, dessa quantidade, 12 mil estão aptos a se aposentar. Ou seja, em pouco tempo, o INSS pode passar por um apagão de mão de obra.

Fonte: Ceará Agora